Como matar a sua associação ou entidade de classe | Fenabrave SC – Regional Fenabrave Santa Catarina

Como matar a sua associação ou entidade de classe

Existem muitas maneiras de matar uma associação. Veja como isto pode acontecer.

 ernesto-berg Ernesto Berg

Quando, há alguns anos, li este artigo na revista Tecnopan sobre as formas de matar uma entidade de classe, não pude deixar de me lembrar de uma associação da qual participei, que começou com muito gás, mas posteriormente teve sua causa mortis decretada exatamente pelos motivos abaixo enumerados.

Cabe a todos nós, e não apenas a alguns poucos, lutar pelo sucesso e pelos ideais de sua entidade de classe, pois sendo legítima, a força dela será também a sua força na defesa dos reais interesses da classe. Vamos ao texto.

  1. Não frequente a entidade mas, quando for lá ache algo para reclamar.
  2. Se comparecer a qualquer atividade, encontre falhas no trabalho de quem está lutando pela classe.
  3. Nunca aceite uma incumbência. Lembre-se é mais fácil criticar do que realizar.
  4. Se a diretoria pedir a sua opinião sobre o assunto, responda que não tem nada a dizer. Depois espalhe como deveriam ser feitas as coisas.
  5. Não faça nada além do necessário. Porém, quando a diretoria estiver trabalhando com boa vontade e com interesse para que tudo corra bem, afirme que sua entidade está dominada por um grupinho.
  6. Não leia o jornal da entidade e muito menos os comunicados. Afirme que ambos não publicam nada de interessante e, melhor ainda, diga que não os recebe regularmente.
  7. Se for convidado para qualquer cargo, recuse alegando falta de tempo e depois critique com afirmações do tipo: “essa turma quer é ficar sempre nos cargos…”
  8. Quando tiver divergências com um diretor, procure com toda intensidade vingar-se da entidade e boicotar seus trabalhos.
  9. Faça ameaça de abrir processo ético e envie cartas ao quadro social com acusações pesadas à diretoria.
  10. Sugira, insista e cobre a realização de cursos e palestras. Quando a entidade realizá-los, não se inscreva nem compareça, alegando que as datas eram inadequadas.
  11. Se receber um questionário da entidade solicitando sugestões, não preencha, e se a diretoria não adivinhar as suas ideias e pontos de vista, critique e espalhe a todos que é ignorado.
  12. Após toda essa colaboração espontânea, quando cessarem as publicações, as reuniões e todas as demais atividades, enfim, quando sua entidade morrer, estufe o peito e afirme com orgulho: “Eu não disse?”

Artigo publicado na revista Tecnopan, n.º 217, da ABIP – Associação Brasileira da Indústria da Panificação.

Discussion — No responses